Raio x da epilepsia

Bastante comum, a epilepsia é um transtorno caracterizado por uma predisposição duradoura a crises epilépticas.

Raio x da epilepsia
POR MAGALI BALLOTI

Dados da Organização Mundial da Saúde apontam que a epilepsia afeta aproximadamente 50 milhões de pessoas no mundo. Estima-se que mais de 8 milhões de pessoas sofram com o problema somente na América Latina1 e no Brasil esse número chega a cerca de 2,5 milhões de pessoas2. E mais: segundo a Organização Pan-Americana de Saúde mais da metade desses pacientes não estão em tratamento. Mas você sabe o que é epilepsia?

Condição bastante comum, a epilepsia é um transtorno do cérebro caracterizado por uma predisposição duradoura a crises epilépticas que se repetem em intervalos variáveis, e pelas consequências neurobiológicas, sociais, cognitivas e psicológicas desta condição. Essas crises são manifestações clínicas de uma descarga anormal de neurônios (células cerebrais). Suas causas variam de acordo com o tipo de epilepsia e com a idade do paciente. 

Causas e sintomas

A causa pode ser uma lesão cerebral congênita (desde o nascimento) ou adquirida, decorrente de vários fatores, como por exemplo, uma batida forte na cabeça (geralmente com sangramento intracraniano), infecção (meningite, encefalite, neurocisticercose etc.), abuso de bebidas alcoólicas, de drogas etc.. Também pode ser decorrente de algum problema ocorrido antes ou durante o parto.3 Entretanto, muitas vezes não é possível conhecer as causas que deram origem à epilepsia.

As crises epilépticas apresentam sintomas variados, dependendo da área cortical cerebral (camada mais superficial do cérebro) envolvida na sua geração e na propagação da crise. Por isso, cada uma tem características diferentes. Um dos tipos mais comuns é a crise tônico-clônica, popularmente chamada de convulsão. O paciente apresenta abalos musculares generalizados, sialorreia (salivação excessiva), pode morder a língua e perder urina e fezes. Em crianças é comum a ocorrência de crises de ausência, uma breve parada da atividade que a criança estava fazendo; piscamentos ou movimentos automáticos das mãos.4

Há outros tipos de crise que, muitas vezes, podem passar despercebidos por pacientes e seus familiares, pois são manifestações sutis, como alteração discreta de comportamento, olhar parado e movimentos automáticos. Veja outros tipos de crise:

  • crises mioclônicas (contração muscular brusca) que ocorrem geralmente ao acordar e, quando repetidas, podem culminar com uma convulsão;
  • crises atônicas que provocam a perda do controle muscular, levando o paciente a quedas;
  • crise parcial (ou focal) complexa que se manifesta como se a pessoa estivesse alerta, mas não tem controle de seus atos, fazendo movimentos involuntários, falando de modo incompreensível ou andando sem direção definida;
  • crises parciais ou focais simples que podem provocar percepções visuais ou auditivas estranhas ou, ainda, alterações transitórias da memória.3

Como tratar a epilepsia?

O diagnóstico correto do tipo de crise epiléptica e da causa da epilepsia, bem como as características do paciente são fatores importantes para a definição do tratamento. A terapêutica é feita com medicamentos antiepilépticos que evitam as descargas elétricas cerebrais anormais (a origem das crises epilépticas).5

Algumas formas de epilepsia podem exigir tratamento cirúrgico ou, mais raramente, com dietas especiais ou estimuladores do sistema nervoso. Entretanto, em geral, o uso de medicações é a primeira conduta recomendada.

A adesão ao tratamento é a atitude mais importante para a pessoa com epilepsia. Pois, quando interrompe o processo, o paciente fica vulnerável a diversas complicações. As mais frequentes são:

  • recaídas que podem levar a acidentes e fobias;
  • problemas no trabalho;
  • restrições da autonomia no trânsito ou na circulação pela cidade;
  • crises mais longas, que podem levar à internação hospitalar ou ocasionar sequelas cognitivas;
  • alterações de comportamento (depressão, ansiedade).

O que fazer ao presenciar uma crise?5

Como as crises não são previsíveis, as pessoas acometidas pela doença precisam de ajuda, principalmente para não se machucarem durante as convulsões. Saiba o que fazer nesse momento5:

  • mantenha a calma e tranquilize as pessoas ao seu redor;
  • tente evitar que a pessoa caia bruscamente ao chão;
  • evite segurar a pessoa ou impedir seus movimentos (deixe-a debater-se);
  • retire objetos próximos para evitar que ela se machuque;
  • mantenha-a deitada de barriga para cima, com a cabeça protegida e voltada para o lado, evitando que ela se sufoque com a própria saliva;
  • afrouxe as roupas, se necessário;
  • se for possível, levante o queixo para facilitar a passagem de ar;
  • não introduza objetos na boca da pessoa durante as convulsões;
  • não ofereça nada para ela cheirar;
  • verifique se existe pulseira, medalha ou outra identificação médica de emergência que possa sugerir a causa da convulsão;
  • permaneça ao lado da pessoa até que ela recupere a consciência;
  • se a crise convulsiva durar mais que 5 minutos sem sinais de melhora, peça ajuda médica;
  • quando a crise passar, deixe a pessoa descansar.

Enfim, quem convive com epilepsia enfrenta, além dos sintomas da doença, o preconceito da sociedade. Por isso, é preciso reforçar que a epilepsia tem causas variáveis, não é contagiosa e com tratamento, seja medicamentoso ou cirúrgico, estima-se que em 70% dos casos é possível ficar livre de crises.

Referências

1 Jornal da USP – Epilepsia é um problema de saúde pública. Website acessado em março 2022. https://jornal.usp.br/atualidades/epilepsia-e-um-problema-de-saude-publica/

2 Hospital Moinhos de Vento – Epilepsia: limites e avanços. Website acessado em março 2022. https://www.hospitalmoinhos.org.br/institucional/blogsaudeevoce/epilepsia-limites-e-avancos

3 Associação Brasileira de Epilepsia - Epilepsia: causas, sintomas e primeiros socorros. Website acessado em março 2022. https://epilepsiabrasil.org.br/duvidas-frequentes

4 Hospital Israelita Albert Einstein – Doenças e sintomas – Epilepsia. Website acessado em março 2022. https://www.einstein.br/doencas-sintomas/epilepsia

5 Biblioteca Virtual em Saúde - Ministério da Saúde – Epilepsia sem preconceito: Dia Mundial de Conscientização Sobre a Epilepsia. Website acessado em março 2022. https://bvsms.saude.gov.br/epilepsia-sem-preconceito-dia-mundial-de-conscientizacao-sobre-a-epilepsia/

 

RELATED ARTICLE
NO IMAGE