Saiba como a insulina e a glicose funcionam no corpo

NO IMAGE
Cuidados para Diabetes | Mar. 19, 2021
Por Maryssa Caetano | Atualizado por Magali Balloti

Convenhamos, não é fácil ouvir do médico um diagnóstico que, para a maioria das pessoas, soa como uma ameaça: diabetes. É natural preocupar-se com o futuro. Além de todas as mudanças que devem ser feitas – dieta adequada, exercícios físicos, tratamento – é importante compreender o que está acontecendo com seu organismo.

A partir desse diagnóstico, termos como "insulina", "glicemia" e "glicose" farão parte da sua rotina. E, compreender como funciona seu metabolismo é fundamental para permanecer saudável e sentir-se bem. Então, para começar a jornada rumo à uma melhor saúde, é bom mergulhar de cabeça no assunto.

Seus hormônios e a digestão

O alimento que você ingere todos os dias é composto de três macronutrientes: carboidratos, proteínas e gorduras. Cada um deles fornece a energia e os nutrientes necessários para seu organismo funcionar adequadamente. Ao mastigar a comida, seu corpo já começa a processar a digestão e a absorção desses macronutrientes. Vários hormônios, incluindo a insulina produzida pelo pâncreas, são liberados e sinalizam ao resto do organismo que o alimento está chegando.

A insulina circula no corpo, funcionando como um sistema de alarme que informa células individuais de que a glicose do alimento está disponível. Você pode pensar nela como uma chave que destranca as portas das células, abrindo-as para absorver a glicose que será usada para dar energia ao seu corpo.

A relação entre a insulina e os níveis de glicose

A principal função da insulina é controlar a quantidade de glicose no sangue após a alimentação1. Ela informa as células de que a glicose deve ser absorvida. Caso isso não aconteça, a permanência de níveis elevados de glicose na corrente sanguínea pode ser altamente tóxica. Se não tratada, a glicose alta pode levar a complicações de longo prazo no coração, nas artérias, nos olhos, nos rins e nos nervos2 .

Os macronutrientes que a insulina gerencia são os carboidratos, encontrados em alimentos como pão, macarrão, frutas, leite e doces. Alimentos ricos em carboidratos são digeridos ou "quebrados" em pedaços menores de açúcar e de glicose para que entrem na corrente sanguínea.

O diagnóstico de diabetes é uma indicação de que a insulina não está funcionando bem para o controle da glicose. Dependendo do tipo de diabetes, pode haver várias razões para os níveis de glicose estarem altos. A insulina pode estar indisponível ou as células podem ter parado de responder a ela.

Assista ao vídeo para saber mais: https://www.youtube.com/watch?v=vTcEXVL094s

Monitoramento e gerenciamento de glicose

Uma boa forma de lidar com um diagnóstico de diabetes é aprendendo mais sobre esta condição, e dedicar atenção especial nas mudanças de estilo de vida que devem ser feitas para gerenciar o nível de açúcar no sangue: alimentação balanceada, exercícios físicos, medicamentos e monitoramento de glicose.

O importante é manter o foco e transformar tudo o que for necessário para conquistar uma vida saudável. Quanto mais você souber sobre o que está acontecendo em seu corpo, maiores as chances de o diagnóstico não controlar a sua vida. E lembre-se: fale com seu médico sobre as melhores opções antes de iniciar tais mudanças.

No quesito monitoramento da glicose, atualmente existem tecnologias que ajudam as pessoas com o diabetes a ter um melhor controle desta condição. Uma dessas tecnologias, é o FreeStyle Libre, um pequeno sensor que mede de forma contínua as leituras da glicose e armazena os dados durante o dia e a noite. Para ter um panorama completo da glicose ao longo dos últimos três meses, o sensor deve ser substituído a cada 14 dias e escaneado no mínimo uma vez a cada 8 horas. Trata-se de uma revolução no monitoramento do diabetes, garantindo um controle muito mais seguro ao longo do dia. E o melhor: sem furar os dedos*.

Em 2020, a Abbott divulgou um estudo com dados de vida real3 de aproximadamente 18.000 pessoas com diabetes no Brasil que utilizam o FreeStyle Libre, constatando que os usuários dessa tecnologia monitoram com mais frequência sua glicose quando comparados a outros países, como Alemanha, França, Japão, Estados Unidos e Itália (média de 14 checagens por dia versus 12 checagens por dia). Esse número é o triplo do mínimo recomendado pelas diretrizes brasileiras8 para os testes tradicionais, que precisam da punção no dedo. Essa informação inédita está associada a um melhor controle da glicose, sendo a primeira vez que um estudo deste tipo é feito no Brasil. É a pessoa com diabetes buscando o controle desta condição.

“Esse tipo de estudo, com dados de vida real, permite avaliarmos como está o controle da glicose dos pacientes, levando em consideração toda a sua extensa variabilidade. O levantamento comprova que estamos empoderando as pessoas com diabetes a viverem melhor e de forma mais saudável, oferecendo informações relevantes para que elas possam agir por si mesmas”, explica o Dr. Douglas Barbieri, Diretor Médico da Divisão de Cuidados para Diabetes da Abbott na América Latina.

*O teste de ponta de dedo é necessário quando os resultados não coincidirem com os sintomas ou expectativas.

FS Libre Leitor - RMS ANVISA: 80146501903 FS Libre Sensor - RMS ANVISA: 80146502021

ANATEL: 4072-14-9992 - FS LibreLink - RMS ANVISA: 80146502168.

Referências

1Ministério da Saúde - Blog da Saúde http://www.blog.saude.gov.br/index.php/servicos/53410-confira-os-tipos-de-diabetes

2Ministério da Saúde http://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/diabetes

3Calliari, Luis Eduardo P., Krakauer, Marcio., Vianna, Andre Gustavo Daher., Ram, Yashesvini., Barbieri, Douglas Eugenio., Xu, Yongjin and Dunn. Timothy C. Real-world flash glucose monitoring in Brazil: can sensors make a difference in diabetes management in developing countries? 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s13098-019-0513-z